A exportação de flores do Ceará
27/08/2010
 
 

Produtores de flores do Ceará vivem um bom momento. O Estado se tornou um dos mais importantes centros de produção e de exportação do Brasil. Principalmente de Rosas.

É preciso subir mais de 800 metros do nível do mar para chegar à serra da Ibiapaba, na região norte do Ceará.

Composta por nove municípios, a serra tem clima ameno, em média 22°C e foi justamente o clima que atraiu para cá produtores de flores.

Heleno Márcio Assis foi um dos primeiros a se instalar na serra. Na época, recém-formado, encarou vários desafios.

"Você implementar uma cultura nova e fazer com que ele acredite nessa cultura, já é um desafio muito grande. Segundo momento, a questão do clima, porque você não tinha nenhum dado ainda sobre qualquer coisa. Como é que ia ser o sistema produtivo?".

Parte destas respostas foi trazida de um país vizinho, que tem tradição nos cultivos de rosas. O sucesso colombiano serviu de modelo para o Ceará, juntamente com outras técnicas trazidas da Europa e de Israel.

“Com as técnicas próprias já temos um botão bastante parecido com o que se produz na Colômbia", afirma o agrônomo colombiano Júlio Cantillo.

Atualmente, a Serra da Ibiapaba tem 74 hectares em plena produção. O estado ocupa o segundo lugar no ranking das exportações brasileiras, perdendo apenas para São Paulo.

Janyclécio Campos é supervisor de uma das maiores exportadoras da região. São quase dois milhões de hastes por mês. Elas vão para toda a Europa.

"Nossa organização trabalha para conquistar um selo de qualidade, reduzir o uso de defensivos, trabalhar com controles biológicos e isso faz com que nós ganhemos espaço no mercado externo".

A empresa cultiva mais de 30 variedades. A cor vermelha ainda é a preferida em vendas. Isso porque, segundo os produtores, é a cor que mais caracteriza a maior parte das datas: o dia da mulher, o dia das mães, o dia dos namorados. Nesta data, por exemplo, só em uma empresa, são 180 mil botões que são exportados.

Já no mercado nacional, principal cliente da empresa de Sr. Paulo Selbach, quanto mais cores, mais vendas.

"Rosa também virou uma coisa de moda. Então se eu dissesse para ti agora a moda é Rosa lilás. A quantidade que tu tivesse de Rosa lilás hoje o mercado absorveria".

Se tem encomendas, tem gente trabalhando. A geração de empregos na Serra da Ibiapaba cresceu depois da floricultura.

Dona Valdeide Bandeira viu a vida ficar melhor depois do trabalho nos roseirais.

"Melhorou a educação dos filhos, os bens, os eletrodomésticos, a gente não tinha e tinha vontade. A construção da casa própria, que é o sonho da maioria das pessoas."

Não são apenas rosas que são cultivadas aqui. 20 pequenos produtores cultivam diversas espécies de flores, que abastecem o mercado nacional e internacional.

Cláudio Fogaça tem seis hectares de crisântemos. Ele veio de São Paulo, do município de Holambra, principal produtor de flores do país. Hoje o produtor vende 2.500 pacotes por semana para o Ceará e para o Piauí.

"Só conhecendo mesmo. Quando eu saí de lá o pessoal falou: 'pô você vai no Ceará plantar flor'. Só que aqui no Ceará, a maior produção de crisântemo do nordeste está aqui em São Benedito. No Ceará a gente não tem vendaval, chuva de pedra. Só vindo para conhecer mesmo e dá certo".

Com o negócio em expansão, o governo do Estado montou uma escola para capacitar filhos de agricultores. Em quatro anos, já formou mais de 100 adolescentes.

No campo experimental a turma vem na prática como lidar com várias espécies.

“Eles aprendem o cultivo de rosas, flores temperadas, flores tropicais, folhagens, plantas ornamentais", explica a coordenadora da Escola de Floricultura do Ceará, Patrícia Moreira.

Os alunos saem daqui com outra visão e muitos planos. "Eu viso, quem sabe um dia, pegar uma cultura dessa e montar a minha própria empresa”, afirma o aluno Erivelton Ferreira.

O Brasil faturou nos sete primeiros meses deste ano US$ 19 milhões 150 mil dólares com a exportação de flores e plantas ornamentais. Um aumento de quase 4% em relação ao mesmo período do ano passado.  

Acesse o link a seguir e confira a reportagem completa sobre o assunto: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1322337-7823-A+EXPORTAOO+DE+FLORES+DO+CEARE,00.html

 
Fonte: Globo Rural


 
 
© 2014 - ABCSEM - Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas - webdesign :: CG Propaganda
Av. Papa Pio XII, 847 sala 22 - Jardim Chapadão - Campinas - SP - CEP 13070-091 - Fone/Fax: (19) 3243-6472 - abcsem@abcsem.com.br