1 1
Cepea recomenda fundo de reserva contra riscos da tomaticultura

O vai-e-vem dos preços é uma situação típica da tomaticultura de mesa do País. Conforme pesquisas da Equipe Hortifruti Brasil, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, Cepea, da Esalq/USP, em 2009, o preço do tomate ao produtor variou de R$ 10,00/cx a R$ 44,50/cx de 23 kg, sendo que o custo médio por caixa ficou entre R$ 13,00/cx e R$ 16,50/cx. No mesmo ano, quando a Equipe Custo/Cepea estimou a rentabilidade do produtor com base nos preços médios, custos e produtividade, o lucro por hectare variou de um prejuízo de R$ 20.000,00 até um lucro de R$ 100.000,00.

Tendo em vista a falta de políticas públicas de apoio à comercialização, elevado risco de rentabilidade da cultura e o seu alto custo de produção, pesquisadores do Cepea defendem que o produtor crie um fundo de reserva a ser feito em anos de boa rentabilidade para cobrir prejuízos em anos ruins. Tendo essa reserva, o produtor evita sua inadimplência, que poderia limitar seu acesso ao crédito ou ter de pagar juros muito elevados. Em alguns casos, após um ano ruim, o produtor pode mesmo ficar sem condição de manter o nível de investimento na cultura e entrar num ciclo de pobreza. O fundo de reserva evitaria ou ao menos amenizaria os impactos de uma safra amarga.

A estimativa de quanto o produtor deve provisionar em anos bons com vistas a cobrir prejuízos em outras safras, segundo pesquisadores do Cepea, começa pela análise do histórico do seu fluxo de caixa. Essa avaliação lhe apontará a freqüência de perda ou de ganho nos diferentes meses, ao longo de anos. Com dados apurados em campo a partir de 2006, os pesquisadores observam que julho e agosto são os meses de maior risco para a tomaticultura nacional, com mais de 40% de chances de o resultado do produtor ser negativo. Por outro lado, março, abril e maio são os meses de menor risco de prejuízo, sendo respectivamente de 11%, 6% e 13%.

O trabalho completo é apresentado na edição de junho/10 da revista Hortifruti Brasil (distribuição gratuita) e inclui percentuais de riscos de prejuízo ou de chances de lucro para cada mês, para cada região. Esse estudo aponta também de quanto foi, em média, a perda por hectare nos períodos em que houve prejuízo para as diferentes regiões produtoras. Num dos cálculos, a equipe apresenta inclusive a probabilidade de se ter prejuízo de até R$ 10 mil por hectare ou de lucro acima de R$ 10 mil/ha.

Os pesquisadores responsáveis pela pesquisa, Dra. Margarete Boteon, João Paulo B. Deleo e Richard Truppel, destacam que o ideal é que os tomaticultores avaliem o seu grau de exposição ao risco com base no seu fluxo de caixa antes de planejar o plantio. Para o cálculo apurado do fluxo de caixa, lembram, é importante uma contabilidade dos gastos e das receitas. “O risco de preços é inerente à cultura do tomate e, independente da escala do produtor, todos estão expostos. A diferença é o modo como gerenciam o ‘dinheiro do tomate’”, comenta a pesquisadora Margarete Boteon.

A matéria com o estudo completo está disponível em: http://www.cepea.esalq.usp.br/hfbrasil/.

Fonte: Assessoria de imprensa Cepea.

Busca:
Dólar:
Euro:
Revista ABCSEM
Fone/Fax: (19) 3243 6472
abcsem@abcsem.com.br
Av. Papa Pio XII, 847 sala 22 - Jardim Chapadão
Campinas - SP - CEP 13070-091
Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta das 8h às 17:30h
A ABCSEM
Agenda
Associados
Informações do Setor
Legislação
Serviços
Parceiros
Sala de Imprensa
Notícias
Publicações
Associe-se
Contato
© 2020 - ABCSEM - Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas - webdesign - CG Propaganda