1 1
Preço dos alimentos deve subir 40% na próxima década

Relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação alerta que a crescente demanda dos mercados emergentes e a produção de bicombustíveis irão impulsionar o valor das commodities agrícolas

Por Fabiano Ávila  
 
O mundo produz o suficiente para sustentar sua população e a tendência é que a tecnologia no campo resulte em mais alimentos nos próximos anos. Porém, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) afirma que o número de famintos seguirá aumentando e ultrapassará os atuais um bilhão de pessoas.  Isso porque os alimentos que já são caros para muitos hoje, ficarão ainda mais custosos até 2020.

Segundo o relatório sobre perspectivas agrícolas, lançado dia 15, pela FAO em parceria com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o preço dos grãos ficarão entre 15 % e 40% mais caros em termos reais com relação ao período de 1997 a 2006. Já os óleos vegetais subirão mais de 40% e os laticínios entre 16% e 45%.

A escalada nos preços do gado será menos acentuada devido ao grande aumento da produtividade, acredita a FAO. Mas a demanda global por carne deve acelerar mais do que de outros produtos.

No geral, os preços das commodities agrícolas estão num momento de baixa depois do pico em 2007 e 2008, mas a tendência será a subida constante em virtude principalmente da maior demanda causada pelo desenvolvimento econômico nos países emergentes e em menor grau pela expansão dos biocombustíveis.

“O papel dos países em desenvolvimento no mercado internacional está crescendo rapidamente assim como a responsabilidade para que eles adotem políticas para contribuir em questões como a má nutrição e a fome”, afirmou Jacques Diouf, diretor geral da FAO.

Comércio Justo

Os emergentes ocuparão cada vez mais espaço na cadeia produtiva de alimentos, com destaque para o Brasil que deve aumentar sua participação no mercado mundial em mais de 40% na próxima década. Rússia, Índia, China e Ucrânia devem ficar nos 20%.

O relatório recomenda que a produção deve ser incentivada para acompanhar a demanda e que políticas internacionais devem ser estabelecidas com esse fim. Também salienta a importância de um sistema justo de comércio para garantir que os alimentos estarão acessíveis a quem mais precisa deles.

A organização não governamental Fairtrade Foundation defendeu que a agricultura familiar será uma ferramenta indispensável no combate a fome e alertou que o aumento dos preços das commodities e que os biocombustíveis podem por em risco essa modalidade de produção.

“Podemos ter uma nova corrida por terras e investidores poderosos irão simplesmente adquirir cada vez mais território e deixarão muitas pessoas sem os meios para produzir. O modelo da agricultura para a exportação pode ainda fazer com que países altamente agrícolas vivam o paradoxo de ter milhões de famintos”, concluiu em nota Barbara Crowther, diretora de comunicações da Fairtrade Foundation.

Fonte: CarbonoBrasil/FAO

Busca:
Dólar:
Euro:
Revista ABCSEM
Fone/Fax: (19) 3243 6472
abcsem@abcsem.com.br
Av. Papa Pio XII, 847 sala 22 - Jardim Chapadão
Campinas - SP - CEP 13070-091
Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta das 8h às 17:30h
A ABCSEM
Agenda
Associados
Informações do Setor
Legislação
Serviços
Parceiros
Sala de Imprensa
Notícias
Publicações
Associe-se
Contato
© 2020 - ABCSEM - Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas - webdesign - CG Propaganda