1 1
Exposição e café da manhã marcam instalação da Frente Parlamentar Mista.
Junji: “A ABCSem é uma das poucas instituições brasileiras que dispõem de dados sobre esses cultivares no País. Mesmo assim, somente quanto às hortaliças”

Por ano, brasileiro consome apenas 1/5 do total de hortaliças ingeridas pelo americano, um volume cinco vezes menor que o italiano e menos de 40% do consumo do israelense, segundo Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008/2009 do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mesmo assim, o cultivo de hortícolas ocupa 700 mil hectares (7 bilhões de metros quadrados) do território nacional, que injetam no R$ 70,2 bilhões PIB – Produto Interno Bruto e geram 2,4 milhões de empregos diretos, além de outros 3,2 milhões de indiretos, segundo dados da ABCSem – Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas.

Essas e outras informações serão mostradas no evento da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Segmento de Hortifrutiflorigranjeiros, a Pró-Horti, que será lançada pelo deputado federal Junji Abe (DEM-SP) às 8h30 desta quinta-feira (30/06/2011). No acesso ao local do evento, os convidados podem conferir uma exposição de produtos do segmento que, desde quarta-feira (29/06/11), polariza as atenções de quem passa pela área.

“A ABCSem é uma das poucas instituições brasileiras que dispõem de dados sobre esses cultivares no País. Mesmo assim, somente quanto às hortaliças”, observou ele, lembrando que o consumo de olerícolas e frutas é indispensável para a saúde e tem papel decisivo na prevenção de doenças.

A sistematização dos dados e a maior sinergia entre os diversos atores das cadeias produtivas são desafios a serem vencidos pela Pró-Horti que reúne mais de 200 congressistas – entre deputados e senadores – solidários ao apelo pela implantação de políticas públicas direcionadas ao segmento de verduras, legumes, tubérculos, bulbos, frutas, champignon, mel e derivados, aves e ovos, pecuária de leite de pequeno porte, flores e outros itens destinados ao abastecimento do mercado interno. A Frente também conta com um forte apoio das principais instituições brasileiras ligadas ao agronegócio.

O principal objetivo da Pró-Horti é “compor um braço político visando sensibilizar o governo a dar atenção a essas categorias”, excluídas de incentivos por não se enquadrarem nos critérios da agricultura familiar, que tem o Pronaf, e nem serem culturas de exportação que geram commodities, como definiu Junji. A atuação da Pró-Horti vai além do atendimento aos micro, pequenos e médios produtores rurais.

O deputado explicou que a Frente visa batalhar pela adoção de dispositivos que beneficiem toda cadeia produtiva de cada item desse segmento. Desde pesquisa, desenvolvimento de variedades e extensão rural, passando pela fabricação e venda de insumos – sementes, fertilizantes, defensivos, máquinas, equipamentos, embalagens e outros –, produção agrícola, centrais de higienização e processamento, canais de comercialização, cooperativas, organizações associativas e transporte até a mesa do consumidor.

Para que as políticas públicas sejam eficientes, é preciso envolver todos os agentes e não apenas uma parte da cadeia produtiva, como justificou o parlamentar. “O consumidor final ganhará em qualidade e preço”, garantiu Junji que mantém uma relação umbilical com o agronegócio. Pertence à terceira geração dos Abe na agricultura. É empresário rural, despontando entre os grandes produtores de orquídeas da Grande São Paulo.

Ao traçar um perfil do público-alvo da Frente no campo, Junji observou que a maioria dos produtores é de micro, pequeno e médio portes, ocupa modestas áreas nas várias regiões do País e dedica-se à policultura – produzindo sempre mais de duas ou três variedades. Ele ressaltou que os agentes dessas cadeias produtivas detêm boa bagagem tecnológica e, em geral, conhecem o processo completo, do campo à mesa do consumidor.

Mesa diretora
Durante o lançamento, será anunciada a composição da mesa diretora da Pró-Horti que terá na presidência o idealizador da Frente, deputado Junji Abe. Os deputados Afonso Hamm (PP-RS) e Paulo Piau (PMDB-MG) ocuparão a vice-presidência, enquanto a senadora Ana Amélia (PP-RS) será a secretária geral e a deputada Célia Rocha (PTB-AL) desenvolverá a função de suplente geral.

De acordo com Junji, para assegurar à Pró-Horti uma atuação que contemple todo o País, respeitando a enorme diversidade entre as várias regiões brasileiras, a mesa diretora contará com cinco coordenadores. Um para cada região. O Centro Oeste terá o deputado Neri Geller (PP-MT), enquanto o Nordeste contará com o deputado Oziel Oliveira (PDT-BA), o Norte, com a deputada Rebecca Garcia (PP-AM), a Região Sudeste, com o deputado Aelton Freitas (PR-MG) e o Sul, com o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS).

O líder rural
Com um avantajado histórico no setor agrícola, o deputado federal Junji Abe registra 35 anos de atuação como líder rural. Presidiu o Sindicato Rural de Mogi das Cruzes, ininterruptamente, por 20 anos, de 1980 a 2000. Em igual período, integrou a diretoria da Faesp – Federação da Agricultura do Estado de São Paulo com notória participação na Comissão de Hortaliças, Tubérculos e Bulbos.

Durante os dez anos em que atuou na Assembléia Legislativa de São Paulo, presidiu a Comissão de Agricultura e Pecuária da Casa. Foi considerado pelos colegas de Parlamento o mais profundo conhecedor do agronegócio paulista. Ainda como deputado estadual, comandou a Câmara Setorial de Olericultura da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento. Surgia, assim, o embrião para uma série de melhorias nas etapas de produção, transporte e comercialização de produtos agrícolas, incluindo a padronização embalagens, metodologia para classificação de produtos e plantio programado, entre outras.

A quebradeira econômica generalizada causada pela escalada inflacionária de quase duas décadas esfacelou as cooperativas agrícolas, principalmente as ligadas à olericultura. A falta de um interlocutor político junto às esferas governamentais fez com que as entidades procurassem o então deputado estadual na expectativa de garantir a sobrevivência do setor. Assim, surgiu a Associação Nacional Pró-Hortifrútis, da qual ele é o presidente-fundador.

A entidade cumpriu com êxito sua função na época. Entretanto, perdeu força ao longo dos anos em razão das dificuldades financeiras que a categoria não conseguiu superar. Em especial, pela falta de políticas públicas dirigidas ao segmento. É exatamente este gargalo que Junji espera extinguir com sua atuação na Câmara Federal, aliada ao trabalho conjunto com os congressistas que aderiram à Pró-Horti.
Mais informações:

Mel Tominaga
Jornalista – MTB 21.286
Tels: (11) 9266-7924 e (11) 4721-2001
E-mail: meltominaga@itelefonica.com.br
Busca:
Dólar:
Euro:
Revista ABCSEM
Fone/Fax: (19) 3243 6472
abcsem@abcsem.com.br
Av. Papa Pio XII, 847 sala 22 - Jardim Chapadão
Campinas - SP - CEP 13070-091
Horário de Funcionamento:
Segunda à sexta das 8h às 17:30h
A ABCSEM
Agenda
Associados
Informações do Setor
Legislação
Serviços
Parceiros
Sala de Imprensa
Notícias
Publicações
Associe-se
Contato
© 2020 - ABCSEM - Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas - webdesign - CG Propaganda